sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Consequências não antecipadas e incentivos perversos

Em sistemas simples, com poucas e isoladas variáveis, é possível manipular tais variáveis com consequências previsíveis. Mas, à medida que os sistemas crescem em complexidade, a noção de que seja possível controlar os efeitos manipulando-se variáveis torna-se ingênua, quando não perigosa.

Na física isto é estudado pela teoria do caos. O exemplo clássico é o clima, no qual o número de variáveis é incontável, e pequenas perturbações iniciais podem desencadear efeitos imprevisíveis.

Mas é na economia que encontramos o conceito mais fascinante para analisarmos o impacto de condutas em saúde pública: a Lei das Consequências Não-Antecipadas.

A lei das consequências não antecipadas (ou não pretendidas) indica que, em um sistema altamente complexo, como o corpo humano, um sistema ecológico ou uma sociedade, intervenções levadas a cabo com um objetivo em mente, frequentemente produzirão desfechos completamente diferentes dos que se pretendia. Para se obter os desfecho necessário, frequentemente usam-se incentivos. Em economia, incentivos que levam à consequências não antecipadas desastrosas são denominados incentivos perversos.

Vejamos alguns exemplos clássicos, retirados da wikipedia:

  • Em Hanói, Vietnam, durante o jugo colonial francês, as autoridades francesas decidiram resolver o problema da infestação de ratos na cidade (boa intenção). Para isso, bolaram um plano engenhoso: pagar uma soma em dinheiro (incentivo perverso) para cada pessoa que lhes trouxesse uma cauda de rato. O objetivo era exterminar os ratos. A consequência? As pessoas começaram a criar ratos em casa, para ganhar mais dinheiro (consequência não antecipada).

  • Paleontólogos no século 19 descobriram que havia muitos fósseis pré-históricos na China. Para aumentar as chances de encontrar novas espécies (boa intenção)  ofereceram uma soma em dinheiro para cada osso que os camponeses lhes entregassem (incentivo perverso).  A consequência? Cada vez que um chinês encontrava um fóssil inteiro, preservado, ele o quebrava em vários pedaços, de modo que podia ganhar mais dinheiro do que se entregasse o fóssil inteiro (consequência não antecipada).

  • Uma lei para a proteção das espécies ameaçadas (boa intenção)  nos EUA, ordena que se faça uma inspeção nos terrenos em que se pretende construir. Se forem encontradas espécies ameaçadas naquele terreno, o projeto de construção é abortado. A consequência? As pessoas exterminam todo e qualquer bicho ou planta rara em seu terreno, de modo que a inspeção não corra o risco de achar nada (consequência não antecipada).
Uma coisa que me fascina é o fato de que, uma vez que a coisa já tenha acontecido, e que alguém tenha nos apontado a consequência desastrosa (porém não-antecipada), essa consequência parece óbvia. Mas, ANTES da intervenção, as consequência são, muitas vezes, imprevisíveis.

O fenômeno que vivemos hoje, esta epidemia sem precedentes de síndrome metabólica, diabetes e obesidade, é uma consequência não-antecipada de uma intervenção que tinha a melhor das intenções - a orientação de cortar a gordura da dieta.

Afinal, na época havia a teoria de que a gordura na dieta causava doença cardiovascular (teoria que hoje já se sabe errada - clique aqui,aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui,aqui,aqui, aqui, aqui, aqui e aqui).

A pergunta, FATAL, na época, era: QUE MAL poderia haver em cortar a gordura da dieta? Afinal, na pior das hipóteses, não mudaria nada, e na melhor das hipóteses, salvaria milhões de vidas.

No vídeo abaixo, eu legendei um pequeno trecho do documentário Fat Head, de Tom Naughton, no qual este raciocínio pode ser apreciado nas palavras do Senador McGovern, o presidente do comitê do Senado americano que acabaria por nos lançar nesta enrascada: 

"Eu só quero argumentar que nós, senadores, não temos o luxo que os cientistas têm de poder esperar até que o último pedaço de evidência esteja estudado".



Ah, se eles conhecessem a lei das consequências não antecipadas!! Porque esta frase contém em si a essência do desastre! Veja, se decisões bem pensadas, e baseadas em ciência sólida, ainda assim têm grande probabilidade de redundar em consequências não antecipadas, que dizer de uma decisão apressada de políticos que "não têm o luxo de poder esperar pela ciência"?

E não foi por falta de aviso. O Dr. Philip Handler, Presidente da Academia Nacional de Ciências à época, citado no vídeo acima, proferiu as seguintes palavras:

"Que direito tem o Governo Federal de propor que o povo americano conduza um vasto experimento nutricional, tendo a si mesmos como cobaias, com base em evidências tão fracas de que isso possa lhes trazer qualquer benefício?"

Sábias palavras, sabemos hoje. E que "vasto experimento nutricional foi esse?" A dieta low fat (de baixa gordura) - algo jamais antes tentado na história da humanidade. Repito, NUNCA antes o gênero humano tentou, propositalmente, evitar a gordura na dieta. Mas ninguém podia antecipar, no final do anos 1970, as consequências desastrosas do que estava por vir...



A seta marca a introdução das diretrizes nutricionais pelo governo americano, a linha cinza marca o consumo de gordura na dieta, e a linha preta marca o percentual de pessoas acima do peso nos EUA. O que saiu errado?? 

Vou recapitular aqui a história dos colonizadores franceses no Vietnam:
  • Em Hanói, Vietnam, durante o jugo colonial francês, as autoridades francesas decidiram resolver o problema da infestação de ratos na cidade (boa intenção). Para isso, bolaram um plano engenhoso: pagar uma soma em dinheiro (incentivo perverso) para cada pessoa que lhes trouxesse uma cauda de rato. O objetivo era exterminar os ratos. A consequência? As pessoas começaram a criar ratos em casa, para ganhar mais dinheiro (consequência não antecipada).
Nos EUA, nos anos 1970, o governo resolveu que cortar a gordura da dieta seria algo bom (boa intenção)  O objetivo seria reduzir os problemas cardíacos. A consequência? As pessoas começaram a comer cada vez mais carboidratos (consequência não antecipada). E os incentivos perversos? Foram dados à indústria alimentícia, que começou a lançar todo o tipo de produto light e diet, cada vez mais processados, cada vez mais artificiais, cada vez mais low fat, cada vez mais cheio de carboidratos!!

A comida de verdade

...deu lugar à comida processada, low fat, high carb



...e as consequências não antecipadas não tardaram a aparecer:

Seta: introdução das diretrizes
Linha cinza: consumo de gordura na dieta
Linha preta: consumo de carboidratos
Área Cinza: percentual de pessoas acima do peso


Seta: introdução das diretrizes
Linha cinza: consumo de gordura na dieta
Linha preta: consumo de carboidratos
Área Cinza: percentual de pessoas diabéticas


E qual a saída para não repetirmos o erro?

A evolução por seleção natural. Diferente da arrogância intelectual que nos leva à ilusão de que somos capazes de prever todos os cenários possíveis que podem decorrer de nossas intervenções em sistemas complexos - já vimos vários exemplos acima mostrando que as consequências não-antecipadas são inevitáveis - a evolução já testou virtualmente TODAS as combinações de circunstâncias possíveis em um intervalo de milhões de anos. Como já aludi em postagem prévia, não é necessário conhecimentos de biologia para saber qual a composição ideal da atmosfera para um ser humano - é aquela com a qual evoluímos. Da mesma forma, não precisamos estudar os efeitos deletérios da falta de gravidade nos astronautas para sabermos, com certeza absoluta, que a gravidade ideal para o ser humano é a da terra - nem mais, nem menos - pelo simples fato de que foi com ela que evoluímos.

Resulta que a evolução, pelo simples fato de lidar simultaneamente com todas as variáveis existentes e com todas as suas interações, atuando num período de tempo de escala geológica, consegue resolver da única forma possível o dilema das consequências não-antecipadas: ela não antecipa nada, testa tudo, e elimina o que não deu certo. Em uma escala suficientemente longa de tempo, o que restou é o que dá certo. Simples assim.

A atmosfera ideal é a da terra, pois é aquilo que o gênero humano sempre respirou; a gravidade ideal é aquela sob a qual o gênero humano se desenvolveu; e a dieta ideal é aquela com a qual o gênero humano evoluiu. Qualquer grande desvio tem altas chances de produzir consequências não-antecipadas. Não seja mais uma cobaia - coma páleo.

34 comentários:

  1. Dr Souto, uma pergunta aparentemente tola sobre a nossa evolução, mas que tem me feito refletir bastante: Será que a rejeição que os não-gordos tem com os gordos para fins de relacionamento e sexo - consequentemente para a reprodução - tem a ver com algum mecanismo evolutivo? É algo tão imperceptível para quem não é gordo (muitos negam a existência) que isto só reforça a minha suspeita que a resposta seja positiva.

    ResponderExcluir
  2. Dr Souto, grande post! Estou expandindo meu trabalho de educação nutricional (vou chamar assim) aqui na comunidade onde trabalho (sou médico de família e também implantei acupuntura no sus). O resultado tem sido impactante! Muitos diabéticos já estão diminuindo a medicação e alguns até retiraram. A perda de peso sustentável já tem acontecido e o mais gratificante foi a recepção que tiveram aqui com as gorduras boas! Agora estou passando nos colégios o domuntário "Muito Além do Peso", sobre obesidade infantil. Foi bastante inusitado pra mim, pois pensei que iriam resistir mais. Quando explico que nossos antepassados não eram obesos e usavam banha de porco e manteiga pra cozinhar, há um consenso admirável.... Nunca havia me sentido tão satisfeito com um projeto como profissional da saúde... Por isso quero compartilhar isso aqui!

    ResponderExcluir
  3. Por um lado, o parecer saudável é selecionado do ponto de vista evolutivo como sexualmente atraente. Por outro, os padrões de cada época são fortemente influenciados pela cultura e pela mídia.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 25/10/2013 23:57, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  4. Fatima Aparecida Rocha Guimara26 de outubro de 2013 01:42

    Pra mim isso é realmente bombástico...sempre me perguntei porque não me contaram isso antes..rsrsr
    Obrigada Dr. Souto...to aprendendo muito por aqui

    ResponderExcluir
  5. Dr. Souto
    Great info.

    Com a mudanca dos meus habitos alimentares para o paleo ,fiquei espantada com o meu armario de cozinha quase vazio, nao tenho mais aquele monte de pacotes, caixas, enlatados, sucos , cereais, potato chips, bolachas , macarrao, etc. Agora so tenho alimentos saudaveis como oleo de coco,oliva chocolate amargo, manteiga de amendoa, ghee, farinha de amendoa, coco ralado, azeitonas , alguns enlatados - organicos (tomates).

    Me sinto bem melhor agora , no more junk food.

    ResponderExcluir
  6. Ótimo texto! Se alguém lê-lo com um pensamento crítico, é certeza que irão comer páleo ou ao menos pesquisar. O triste é que a maioria ainda espera a fase 3....

    ResponderExcluir
  7. Bom dia Dr. Souto. Preciso muito de sua ajuda, pois ja estou ha um mes me alimentando no estilo low carb, ha duas semanas estou fazendo JI de 16h e meu peso e minhas medidas nao diminuem. Meu peso oscila na casa dos 74kg, aumentando e diminuindo mas nao abaixa de maneira alguma. Minha alimentacao se resume em cafe com nata pela manha, almoço 12h com proteinas, gorduras e verduras, 15h como o seu bolinho de coco e janto as 19h apenas proteinas e gorduras boas. Dentre as proteinas consumo queijos, com moderaçao. Ha dois anos atras eu fiz a dieta Dukan e emagreci 18kg, mas abandonei na fase de manutençao e recuperei 15kg. Depois de pesquisar e encontrar seu blog, entendi que o melhor caminho para saude e emagrecimento seria seguir os seus ensinamentos, mas fico chateada porque nao estou conseguindo resultados. Nao frequento academias, nunca gostei, nado de vez em quando por lazer e faço caminhadas 2 a 3 vezes por semana. Agradeço muito se puder me dar uma luz... Um Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Cris, tenho notado que muitas pessoas que têm dificuldade em perder peso com páleo mencionam uma quantidade razoável de laticínios no cardápio. Eu, por exemplo, fico bastante inchado. 10 dias sem laticínios costuma reduzir meu peso e inchaço. Algumas pessoas daqui também relataram melhora com a restrição a laticínios. Acho que este seria o primeiro passo para investigar a causa.


    Dicas: Experimente trocar a nata do café da manhã pelo leite de côco. Não fica tão gostoso, mas ainda fica bom e saciante. Ou, se estiver com fome, coma ovos na banha. Também pode comer frutas, desde que seja de sobremesa e em quantidade moderada. À noite, uma salada com proteína e gordura (e uma fruta de sobremesa) ajuda a saciar.

    ResponderExcluir
  9. Meu marido tinha dúvidas quanto a dieta Paleo... Ironicamente, ele estava outro dia me falando disso: consequências não antecipadas.
    Ele gostou do post, e foi lendo os outros do blog e se convenceu :)

    ResponderExcluir
  10. Que ótimo!!

    Espera só eu terminar de legendar um vídeo FANTÁSTICO - vem coisa BOA por aí.


    2013/10/26 Disqus

    ResponderExcluir
  11. Parabéns Patrick. Você e pessoas como Dr. Souto estão fazendo a diferença.
    Othmar

    ResponderExcluir
  12. Por esses estudos e pelas evidencias que estou vivenciando que Mark
    Sisson , Gary Taubes , Robb Wolfe, Loren Cordain , Sally Fallon, Sean
    Croxton e Dr. Souto estão entre as personalidades que mais me fascinam.
    Parabéns Dr. Souto, não encontrei nada em português com tanta informação com grau de evidencia nível 1.

    ResponderExcluir
  13. Dr. Souto.
    Tomo rosuvastatina há mais de 5 anos, com um colesterol em torno de 210, 3 vezes por semana. Acho um absurdo, mas sigo a orientação do meu médico. Estou em dúvida se devo continuar tomando ou simplesmente parar, já que estou seguindo a reeducação alimentar low carb.Gostaria de saber a sua opinião.
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  14. Não posso interferir nem prescrever via Internet. Mas se vc ler as 8 postagens sobre o assunto, já sabe o que eu penso.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 26/10/2013 22:28, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  15. Obrigado Othmar! :)

    ResponderExcluir
  16. Simplesmente fantástico!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  17. Mariana Montezzana27 de outubro de 2013 00:38

    Isso mesmo! Na minha casa também, nada de armário cheio de pacotes. Na geladeira só dá ovo, manteiga e queijo e embaixo a gaveta de verduras quase explodindo. www.vidalowcarb.com.br

    ResponderExcluir
  18. Mariana
    Ate o meu frezer sofreu umas mudancas. Nao tenho mais sorvetes ou comidas congeladas q comprava antes, agora tenho pes de galinha, patas de boi, pescoco, tutano (para fazer o meu caldo de osso), e tb tenho os meus cubos de espinafre, kale, celery/salsao, bananas, berries para o meu smoothie, nozes e bacon.

    ResponderExcluir
  19. Tania, veja este video: http://www.youtube.com/watch?v=jK-oDwSGtk0

    ResponderExcluir
  20. Obrigada Júlio. Tudo isto vai dando uma luz para repensarmos o que estão fazendo com a gente

    ResponderExcluir
  21. Adoro esses posts cheios de ciencia e informacoes "novas" (quero dizer, novas para quem eh leigo). Parabens!
    Agora uma duvida: jah sabemos q calorias nao sao simplesmente calorias. Vi um post do dr andreas sobre um cara q comeu 5800 calorias de junky food cheia de carbs e 5800 calorias de low carb, mas ele engordou 3x mais com junky food.
    Minha duvida eh se a mesma coisa acontece entre os carboidratos, ou seja, faz diferenca para o peso comer 100g de carbs atraves de pao e massa e comer os mesmos 100g de carbs de batata doce, por exemplo?

    ResponderExcluir
  22. Sim, faz diferença. Tem a ver com o efeito sobre a flora intestinal e a inflamação: outras vias independentes da insulina.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 27/10/2013 17:56, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  23. Eu suspeitava desde o principio, ate porque o gluten, no meu caso, me faz inchar MUITO! Ou seja, eh obvio o desequilibrio q causa no corpo. O sr nao tem vontade de conduzir experimentos? O que eh necessario para concretizar um? Se precisar de voluntarios, creio q jah tem muitos! Eu, claro, ficaria com o grupo q consome low carb! Hehehe Obrigada!

    Tatiana Carli
    (taticarli@gmail.com)
    Enviado via iPhone

    ResponderExcluir
  24. Os alimentos mais saborosos são aqueles com gordura naturalmente inserida, por que acham que isso faria mal a alguém? Contra senso.
    Parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
  25. Dr, veja q interessante: reproduziram no site abaixo uma troca de mensagens com a The Australian Heart Foundation (a mesma q ficou em saia justa no doxumentario Catalyst sobre colesterol) e as respostas, como sempre, sao vagas e ninguem consegue uma evidencia sequer sobre o Mito do Colesterol. Para mim esta claro q isso comecou por questoes politicas e pode perpertuar por questoes financeiras. http://www.zoeharcombe.com/2013/09/the-australian-heart-foundation-more-fat-ignorance/
    Tatiana Carli
    (taticarli@gmail.com)
    Enviado via iPhone

    ResponderExcluir
  26. Dr, vi o documentario umas 3 vezes ontem de tao bom q achei.
    Mas permaneceu a duvida do colesterol no papel da inflamacao. Jah sabemos q o colesterol eh fabricado em maior quantidade qdo existe inflamacao. Perguntas: 1) qual o papel do colesterol na inflamacao, ou seja, o que o colesterol poderia fazer para reduzir a inflamacao (ou ainda, porque na artereoesclerose, o corpo capta o colesterol para dentro da inflamacao) 2) isso significa q uma gripe, em q a garganta fica inflamada, tambem causaria um aumento do colesterol, ou existem inflamacoes especificas para o uso do colesterol?
    Tatiana Carli
    (taticarli@gmail.com)
    Enviado via iPhone

    ResponderExcluir
  27. Fazer HIIT pode ajudar também!

    Dá uma lida aqui:

    http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/12/exercicio-sim-mas-nao-o-que-lhe.html

    ResponderExcluir
  28. Esse post foi sencasional.. Já tinha lido muito aqui mas só li esse agora.

    ResponderExcluir
  29. Dr Souto primeiramente parabens pelo seu fantastico trabalho! Sempre sofri com enxaquecas terriiiiveis e há uns 3 anos precisei entrar em tratamento com neuro, utilizando remedios fortes e caros que nao resolviam meu problema, apenas aumentavam o intervalo de minhas dores. No inicio de 2013 resolvi seguir um estilo de vida saudavel(mudei radicalmente a ponto de n consumir nem adocante e acostumar meu paladar ao neutro ou azedo), entendi que tinha que ser pra sempre (tenho 31 anos e meu sobrepeso era desde criança)! No meio do ano, já que nao parava de ler mais e mais sobre alimentacao, saude exercicios, etc resolvi cortar o gluten da minha vida(se foram mais de 10kg) e cada vez me sentia melhor e meu corpo mudava pra melhor, nao ficava doente........so pontos positivos. OBS: NUNCA mais coloquei na boca um remedio(eram 3) para enxaqueca e o de uso diario fui diminuindo ate parar. Neste tempo comecei a estudar sobre a Paleo/LCHF e resolvi tentar, resultado: continuo com o consumo baixo de carbos e alto de gordura, só tenho a agradecer por sites como esse que nos ajudam bastante! Minha mae eliminou 16kg com Dukan e esta na fase de manutencao, peco muito a ela para mudar pra Paleo mas ela morre de medo de engordar. O Sr tem relatos se essa mudança durante a manutencao prejudique o emagrecimento e/ou a manutencao do peso?

    ResponderExcluir
  30. Muito bom, Michelle.

    Sobre Dukan, a manutenção tem GRÃOS, que posso dizer?

    Não consigo imaginar que comer Páleo vá engordar alguém.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 24/03/2014 01:39, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  31. Eu o admiro muito como pesquisador! É vocação e talento puros.

    ResponderExcluir
  32. Não só como pesquisador, mas como escritor também! Independentemente da linha de argumentação, Dr. Souto sabe prender a atenção do leitor até a última vírgula. Tem o dom nato da escrita. Eu não paro nem pra respirar quando leio suas postagens. Ele é meu herói.

    ResponderExcluir