domingo, 10 de março de 2013

Dieta pobre em gorduras = mais derrames, mais doença cardíaca

Semana passada, fiz uma postagem sobre dois grandes estudos recém publicados. O primeiro dizia respeito à vinculação causal do consumo de açúcar com o desenvolvimento de diabetes. O segundo é o que trataremos hoje.

Todas as pessoas medianamente esclarecidas já compreendem, nos dias de hoje, que restringir os carboidratos é importante para a saúde e para a perda de peso (clique aqui para um exemplo de que ainda existem pessoas completamente sem noção). O grande entrave, no entanto, para a adoção de um estilo de vida páleo / low-carb é a dificuldade das pessoas em aceitar que a gordura natural dos alimentos é saudável, e não deve ser evitada.

O artigo em questão, um estudo prospectivo e randomizado, ou seja, o tipo mais convincente que há, foi publicado na prestigiosa revista The New England Journal of Medicine sob o título "Primary prevention of cardiovascular disease with a mediterranean diet" (Prevenção primária de doença cardiovascular com uma dieta mediterrânea).

Trata-se de um artigo importante, mas não pelo motivo que a maior parte da mídia entendeu. Afinal, já é senso comum entre as pessoas que têm alguma noção sobre saúde que uma dieta mediterrânea é saudável. Qual foi, então, a grande importância deste artigo?

Este estudo foi o prego final no caixão das dietas de restrição de gordura.

Vamos recapitular.

1) Em 1953, Ancel Keys publicou um estudo no qual selecionou a dedo 6 países nos quais o consumo de gordura se correlacionava com doença cardíaca. Descobriu-se depois que havia dados para muitos outros países. Hoje sabemos que a correlação é inversa, quanto mais gordura na dieta, menos mortalidade cardiovascular:

Como já comentamos em outras postagens, correlação não é o mesmo que causa e efeito, mas MESMO a correlação aponta no sentido inverso à crença nutricional vigente.

2) Previamente, dois GRANDES estudos prospectivos e randomizados foram conduzidos para tentar demonstrar que a redução de gordura na dieta pudesse ser benéfica: AMBOS falharam completamente. O primeiro foi o MRFIT (Multiple Risk Factor Intervention Trial), que tinha como objetivo testar a hipótese de que a modificação de vários fatores de risco, incluindo adotar uma dieta pobre em gorduras, fosse diminuir a mortalidade. O estudo recrutou 12866 homens considerados de alto risco cardiovascular e os sorteou para dois grupos: um grupo controle (dieta americana padrão) e outro com orientação para cessar o tabagismo, tratar a hipertensão e adotar uma dieta com menos de 8% de gordura, menos de 300mg de colesterol, e aumento das gorduras poliinsaturadas para 10% das calorias. Após 7 anos de seguimento, não houve nenhuma diferença estatisticamente significativa na mortalidade entre os grupos (o grupo controle morreu um pouco MENOS). Os fumantes, quando considerados isoladamente, morreram mais que os não fumantes. Pessoalmente, acho o que explica que o grupo que fumou menos e comeu menos gordura tenha morrido mais é que uma dieta pobre em gorduras e rica em carboidratos foi tão deletéria que contrabalançou os benefícios de parar de fumar e tratar a hipertensão, mas o FATO é que o estudo foi negativo.
O segundo foi o WHI (Women's Health Initiative) - este estudo incluiu apenas mulheres (o MRFIT tinha apenas homens), e foram 48835 mulheres! Tinha como objetivo avaliar o efeito de uma dieta pobre em gorduras na saúde cardiovascular e na incidência de câncer de mama. As mulheres foram orientadas a consumir menos gordura e mais frutas e vegetais. Depois de 8 anos de seguimento, a insossa dieta sem gordura não teve efeito significante em NENHUM dos desfechos: câncer de mama, todos os cânceres, doença coronariana, conjunto das maiores doenças crônicas ou mortalidade total.

3) Em 2001, foi publicada a metanálise (reunião de vários estudos científicos) definitiva, pela Cochrane Foundation. O resultado? Não há nenhuma diferença na mortalidade entre pessoas que restringiram a gordura na dieta e as que não restringiram. Eis os resultados originais:


A conclusão dos autores não deixa dúvida:


Traduzindo: Há pouco efeito sobre a mortalidade (na verdade, os números mostram que não há nenhum efeito).
Apesar de décadas de esforço e muitos milhares de pessoas estudadas, as evidências dos efeitos da modificação de gorduras na dieta sobre a mortalidade cardiovascular são inconclusivas.

4) Um bom resumo do assunto pode ser lido nesta postagem: Gordura Saturada - Revista Men's Health

Bem, no que consistiu o estudo do New England? 7500 pessoas sem doença cardíaca prévia, mas com risco aumentado, foram randomizados para uma dieta de baixa gordura, uma dieta mediterrânea com mais gordura na forma de nozes e sementes, e uma dieta mediterrânea com mais gordura na forma de mais azeite de oliva.
O resultado? O estudo teve de ser interrompido prematuramente, pois muito mais pessoas estavam morrendo no grupo "low fat" (de baixa gordura) do que nos outros dois.

Vou repetir, para sedimentar: o estudo foi interrompido antes do fim, com menos de 5 anos de seguimento, pois a dieta de redução de gorduras estava matando cerca de 30% a mais, e foi considerado anti-ético continuar o experimento.

Está chocado? Choque-se um pouco mais então:

As linhas coloridas representam a mortalidade cardiovascular nas dietas mediterrâneas, e a linha preta a mortalidade na dieta recomendada pelos nutricionistas, médicos, governo, amigos e vizinhos - a dieta sem gordura e com mais carboidratos.

Parafraseando Nietzsche: "A dieta de baixa gordura está morta".

Querem ver a receita para matar? A receita que levou diretamente à divergência das curvas acima, foi a seguinte (este o foi exatamente o panfleto entregue para o grupo low fat no estudo em questão):



Vou traduzir minhas partes preferidas:
 - pão, massa, arroz são parte de uma dieta saudável
 - Compre alimentos low-fat:

  • Pão
  • Cerais
  • Massa
  • Arroz
  • Batatas
  • Frutas
  • Feijões e lentilhas
  • Produtos low fat
  • Remova a pele das aves
Cozinhe com menos gordura:

  • Evite usar azeite, óleo ou molhos com gordura
  • Use o mínimo de azeite possível
  • Use o mínimo de gordura, apenas o necessário para evitar que o alimento grude na frigideira
Remova a gordura:
  • Não use manteiga ou outras gorduras para espalhar sobre os alimentos
  • Remova toda a gordura visível da carne antes mesmo de prepará-la
  • Remova toda a gordura liberada pela carne durante o preparo
  • Esfrie as sopas e remova a gordura sobrenadante antes de aquecê-la novamente
Evite os seguintes alimentos:
  • Óleos
  • Manteiga, banha
  • Laticínios com gordura, nata
  • Carnes gordas, linguiças, bacon
  • Fígado e outros órgãos
  • Alimentos fritos
  • Maionese
  • Nozes, sementes de girassol
Então está aí, sua receita para matar. Se você tem inimigos, imprima o panfleto acima, baseado na famigerada pirâmide alimentar, e lhes dê de presente:


É preciso que o leitor entenda. Este estudo não é um daqueles estudos observacionais, onde pessoas com estilos de vida completamente diferentes adotam dietas diferentes. Este é um estudo RANDOMIZADO, onde as pessoas foram SORTEADAS para cada grupo (todos os grupos têm, portanto, o mesmo número de sedentários, de fumantes, etc). A ÚNICA coisa que diferencia os grupos, foi, de fato, a orientação dietética. Ou seja, um estrago e tanto que a retirada das gorduras e o estímulo aos carboidratos é capaz de fazer em menos de 5 anos. Ah, se a bruxa da Branca de Neve soubesse disso... E ninguém poderia acusá-la, afinal ela apenas estaria seguindo a orientação nutricional vigente!

77 comentários:

  1. Dr. Souto, há um mês estou seguindo a dieta pálio, pois meu filho que mora no Canadá emagreceu 40 kg em uma ano com essa dieta E melhor seus níveis de triglicerídeos, Hdl, e LDL melhorarm muito. Não preciso emagrecer mas meu LDL é de 262 e ainda tenho hipotereoidismo. Minha endocrino e gineco me pressionam muito para que inicie com Crestor, mas li sobre ele e náo me agradou. Gostaria de poder controlar como anda meu LDL. Será que é muito ainda para fazer um exame? Leio muito mas ainda tenho um pouco de medo da famigerada hipercoleterolemia. Abraço

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, Dr. Souto. Há algum médico em Porto Alegre (RS) o senhor me recomendaria para me acompanhar nesse novo estilo de vida? Muitos familiares estão me incomodando e dizendo que minha saúde piorará com essa alimentação - mesmo que eu mostre os dados científicos que tenho lido em seu site. Assim, gostaria de fazer alguns exames e ter acompanhamento médico.
    Muito obrigada e ótima semana!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo filho!

    Com um mês, já deve haver modificações interessantes em seu perfil lipídico. Pode fazer os novos exames.

    Sent from Galaxy S3
    Em 10/03/2013 17:10, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  4. Pois é... O leitor que não tem entendimento para ligar pontos, vai cair nesse papo da pirâmide alimentar moderna muito facilmente. Tem gente que vilaniza a gordura cruelmente e para defender carbs de baixo valor nutricional... Isso me faz ver um futuro bem doce para a humanidade, me perdoem o trocadilho empregado.

    ResponderExcluir
  5. Realmente, a mídia não deu enfoque para a importância da gordura e para o risco dos carboidratos, no fim, até falaram da importância do azeite, mas encaixaram as conclusões na pirâmide alimentar que a gente aprende no colégio. Lembrei de tudo o que tenho aprendido aqui quando vi a notícia na tv.

    ResponderExcluir
  6. Que notícia MARAVILHOOOOSA!!! divulgando muuuito!!

    ResponderExcluir
  7. Obrigada por mais esta postagem! Agora, sim, temos acesso aos verdadeiros resultados dessa pesquisa. De acordo com as revistas e telejornais, a dieta mediterrânea até faz bem, mas só por causa do azeite de oliva e das nozes (nada de banha, nata e gordura aparente!!! hehe)

    ResponderExcluir
  8. Boa Noite Dr. José Carlos. Há muito tempo acompanho seu blog e faço a dieta Atkins há quase seis meses. Como é de praxe, muitos criticam minha alimentação devido a ingestão de gorduras como manteiga, nata, etc... e hoje uma amiga que é veterinária fez o seguinte comentário: "O excesso de proteínas sobrecarrega o rim. Isso é fisiologia pura. O gato, um carnívoro completo, se não morrer atropelado ou de doenças infecciosas, morre, 90% das vezes, de IR. É fato, é real. Não somos vegetarianos assim como não somos carnívoros. Então uma dieta hiper proteica é totalmente contra indicada a saúdehumana." E ainda observou o seguinte: "Em vez de vcs se preocuparem apenas com o colesterol, peçam a seus médicos para mensurarem uréia e creatinina depois de uma dieta dessas. Pior que entupir vasos, é ficar dependendo de hemodiálise. Toda vez que eu vejo alguém fazer a dieta da proteína, sempre imagino a saúde renal desta pessoa.".

    Como sou leiga no assunto, até onde isso é verdade? Qual informação o sr. teria sobre isso?

    Desde já agradeço e o parabenizo pelo excelente material que tem nos colocado à disposição.

    Elidiana Mansur

    ResponderExcluir
  9. Em Porto Alegre tem um médico chamado José Carlos Souto.

    ResponderExcluir
  10. Uma dieta low carb NÃO É uma dieta hiperprotéica. Mas, MESMO que fosse, sua amiga ainda assim estaria errada.
    http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/05/dieta-e-perigosa-para-os-rins.html
    Sent from Galaxy S3
    Em 10/03/2013 20:05, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  11. Mais uma vez obrigada, Dr José Carlos. Abs

    ResponderExcluir
  12. Tenho uma duvida que não sei se é muito pertinente, mas quem sabe alguém possa me ajudar: por que quando esta os doentes o corpo rejeita gorduras e proteínas e pede exatamente por carboidratos? Por exemplo, agora estou meio indisposta, com dor no corpo, náusea e falta de apetite, e as únicas coisas que consigo comer são torradas e melancia. Quando estamos indispostos, carnes e gorduras são repulsivas. Se esses são os alimentos a que nosso corpo está geneticamente programado para aproveitar melhor, por que isso acontece?

    ResponderExcluir
  13. Talvez porque vc esteja enjoada e seu corpo realmente esteja te dizendo para não comer, e apenas coisas anti-naturais que são suficientemente viciantes superam o desejo do corpo de não comer - é apenas uma ideia... Quanto a mim, carne NUNCA me parece repulsiva. Outra hipótese mais provável é que os carboidratos são "Comfort foods" para você - comidas q sua mãe lhe dava quando vc estava doente. Quando fragilizada, vc sente um desejo socialmente aprendido de comer torradinhas, sopa, esse tipo de coisa. Isso não tem nada a ver com genética, e tudo a ver com psicologia.

    Sent from Galaxy S3
    Em 10/03/2013 20:30, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  14. Estou adoentada tbm, faz duas semans que estou tomando remédios, de repouso, etc. Não tive vontade de comer carboidratos, mas um dia a noite, meu filho abriu um pacotinho de granola e o cheiro me lembrou algo bom. Resolvi comer ... na segunda colher meu estômago embrulhou! Nem quis passar perto mais. A lembrança foi emocional, não foi necessidade fisiológica.

    ResponderExcluir
  15. Olá Elidiana!
    Peça seus exames de ureia e creatinina! E mostre pra sua amiga veterinária... eu gostaria de ver a cara dela quando ver seus exames! hehehe!

    ResponderExcluir
  16. Acredito plenamente na teoria do psicológico... É exatamente isso. Lembro que minha mãe fazia uma sopa com legumes (batata, principalmente) e chamava de "sopa levanta doente). hehe...
    Hoje, se eu quero sopa, coloco verduras, algum brócolis ou couve-flor para cozinhar com bastante água e bato tudo depois. Pode?

    ResponderExcluir
  17. Essa foi a pesquisa que o Fantástico divulgou na semana passada, né? Lembro da mulher dizendo que precisaram interromper o programa antes do tempo, mas eles não enfatizaram na matéria o fato de uma dieta rica em gorduras sem melhor até do que a mediterrânea.
    Como jornalista e aspirante à atleta, acho um desserviço. Eu não consigo convencer sequer meu noivo a deixar os pães e farináceos de lado por causa do consciente coletivo e da dificuldade de mudar esses paradigmas, então seria de grande valia que a grande mídia - a Globo, principalmente - começasse a lançar mais luz sobre essa questão.


    Enquanto isso, sigo no dilema: cozinhar para dois usando gorduras enquanto ele come todos os grãos e carboidratos do mundo me faz uma bruxa má? Pois para que ele pudesse consumir as gorduras sem se preocupar com o aumento de peso e dos níveis dos indicadores sanguíneos, precisaria cortar os carbos tanto quanto eu, e não é essa a realidade.
    Estou ajudando a estragar a vida do meu noivo??? =(

    ResponderExcluir
  18. Infelizmente, acho que quem está ajudando a estragar a saúde é ele mesmo - pena, com vc em casa dando as dicas... Ainda assim, consumir azeite de oliva e manteiga/banha será sempre melhor do que óleos extraídos de sementes. Ou seja, vc se matará MAIS rápido com óleo de soja e farináceos do que com manteiga e farináceos.

    Quanto à globo, bem - esquece! No primeiro mundo, temos (às vezes, ainda) alguns jornalista científicos especializados; para um bom exemplo, ver revistas como a Scientific American, a Discover, etc. Frequentemente são jornalistas que tem um "minor" ou "major" em física, biologia, etc, no College. Ou seja, gente com senso crítico, que entende tanto quanto o entrevistado sobre o assunto. Aqui, temos gente sem especialização nenhuma, correndo para preencher amanhã uma pauta que receberam hoje. Estou mentindo?

    Em 11 de março de 2013 10:56, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  19. Obrigada, interessante teoria!

    ResponderExcluir
  20. Antonio C. Velez Braga11 de março de 2013 17:53

    Dr. Souto,

    ResponderExcluir
  21. Isso não é teoria. É cientificamente provado.

    ResponderExcluir
  22. acabou de sair no G1

    http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/03/mumias-de-4-mil-anos-tiveram-problemas-cardiacos-diz-estudo.html

    pena que nao fizeram nenhuma associaçao ao consumo de carbs na época, e ainda bem que tb nao associaram a gordura

    atentem para essa frase

    "É possível que seja exagerada a ideia de que um estilo de vida saudável pode eliminar completamente o risco [de ter problema cardíaco]."

    ResponderExcluir
  23. Antonio C. Velez Braga11 de março de 2013 19:08

    Dr. Souto,


    Descobri seu blog no inicio do ano e em menos de uma semana já tinha lido todos os posts e, em grande parte deles, inclusive os comentários, com suas sempre bem-fundamentadas respostas.

    A primeira vez que li sobre a dieta do Dr. Atkins foi uns 15 anos atrás. Naquela época, em todo lugar que a gente procurasse, esse tipo de alimentação era questionada, atacada e erroneamente (entendo agora) chamada de "dieta da proteína". Por conta disso acabei descartando-a na época como uma opção saudável para perda de peso.

    No final do ano passado ganhei um dos livros do Tim Ferriss e pesquisando sobre o autor acabei comprando o 4-hour body. A evidente semelhança com as recomendações do Dr. Atkins me fez procurar na internet sobre o assunto. Uma das principais indicações do Google foi o seu site e o resto é história. Tenho lido tudo que encontro sobre as alimentações Páleo e Low-carb e adquirido alguns dos livros aqui recomendados, inclusive para presentear alguns parentes e amigos.

    Adotei de vez uma alimentação Low-carb, com um viés Páleo, há oito semanas e perdi mais de 7 kg. Me tornei grande promotor do seu blog e deste tipo de alimentação, especialmente aproveitando o momento em que as pessoas elogiam minha perda peso. Várias pessoas do meu relacionamento também estão seguindo e todas elas com resultados muito bons.

    Como nunca falta, sempre tem pessoas que condenam e "apostam" que algum mal deve estar fazendo. Para acabar com alguns desses questionamentos, semana passada fiz um exame de sangue para medir o colesterol e glicemia. E é sobre isso que gostaria de fazer algumas perguntas, se me permite.

    Em termos de colesterol, está nos níveis históricos, que são relativamente bons. HDL 36, VLDL 13, LDL 112, total 161 e glicemia em 95.

    Como comentei, meu colesterol nos últimos 5 anos tem estado nesses patamares, mas eu esperaria um aumento no HDL que, por sinal, nunca foi mais de 40. Gostaria de saber qual a sua opinião sobre o nível do HDL.

    Mas a minha surpresa foi com a glicemia, que apesar de estar ainda no limite do considerado normal, está acima do meu histórico, que é por volta de 80. Reparei numa das suas respostas a outro leitor, que isso pode ser por causa do dawn phenomenon. Porém, pesquisei sobre o assunto e não consegui encontrar qual seria um patamar aceitável de glicemia em jejum para uma pessoa seguindo uma dieta low carb, sem problemas de diabetes.

    Agradeceria muito suas hipóteses sobre isso. Se servir, meu avô paterno tinha diabetes e meu pai é pré-diabético (um dos presenteados com o Why we get fat do Gary Taubes).

    Meus parabéns pela sua dedicação com "a causa" e, em especial, pelo blog.

    Muito obrigado e um abraço.

    Antonio

    ResponderExcluir
  24. Dr. Souto, se o senhor puder me sanar mais essa dúvida, eu agradeço imensamente! Fui doar sangue hj. Desde q entrei na dieta low-carb, foi a primeira vez. Tomei café normalmente, fiz o exame de HB (estava ótimo) e doei o sangue. Depois, fui solicitada a tomar um lanche antes de deixar o hospital. Tinha suco (com açúcar), pão, água e maçã. Optei pela maçã e comi metade, pq não aguentei. 15min depois, desmaiei... Isso já me aconteceu antes, de desmaiar após doar sangue. Minha pressão hj foi a 60x40mmHg...


    Depois que melhorei (fiquei de cabeça pra baixo uns 20min), fui embora. O problema é que fiquei tonta o dia inteiro! Não consegui sair da cama. Até pra tomar banho, eu estava meio zonza. Continuo com a minha alimentação low-carb normal. Minha dúvida é: nesse caso específico de doação de sangue, devemos ingerir algum alimento em específico? Se sim, por qtos dias?


    Obrigada.


    ps: apesar de SEMPRE passar mal, nunca desisto de doar sangue! :)

    ResponderExcluir
  25. Bom dia Dr.Souto ! Que belo trabalho , parabéns !
    Eu gostaria de saber se meu filho de 12 anos pode fazer low carb ou mesmo paleo. Ele está acima do peso. Se sim , o cardapio é o mesmo ?
    Obrigada por todas as informações.
    Arlete

    ResponderExcluir
  26. Dr. Souto, há uma coisa que eu não sei bem como acontece e preciso das suas informações. Gostaria de saber o que o nosso organismo faz com a gordura que passa a ser ingerida com maior frequência na dieta low carb. Eu estou acima do peso, mas mesmo ingerindo mais gorduras perdi alguns quilos, o que aconteceu?

    ResponderExcluir
  27. Olá Alessandra.
    É preciso entender que a chave de tudo é a insulina. O que deve ser controlado é a diminuição nos níveis de insulina. Quanto mais baixa a insulina mais difícil será estocar gordura no tecido adiposo. SEM insulina é IMPOSSÍVEL armazenar gordura. http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2011/12/chave-de-tudo-insulina.html
    E o que faz ELEVA os níveis de insulina?? Os carboidratos! A gordura não tem carboidratos e por isso não aumenta os níveis de insulina. Com a gordura você tem energia sem ter estocagem no tecido adiposo.
    "O tecido gorduroso não é um depósito de calorias no qual o excesso é estocado para ser utilizado um dia no futuro quando houver uma situação emergencial de fome. Trata-se de um tecido metabolicamente ativo, no qual a deposição e mobilização da gordura ocorre de forma contínua, independentemente do estado nutricional do animal. O acúmulo ou perda líquida de gordura neste sistema depende de alterações no equilíbrio entre deposição e mobilização, ou seja, do equilíbrio entre estímulos que favorecem a deposição versus aqueles que favorecem a mobilização." http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2011/12/regulacao-do-tecido-adiposo.html
    Veja o Documentário fat heat (atenção para a 7ª parte) http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/search?updated-min=2012-01-01T00:00:00-02:00&updated-max=2013-01-01T00:00:00-02:00&max-results=50



    “Dentro da normalidade, nossa insulina aumenta após uma refeição, fazendo com que a gordura seja estocada nas células adiposas e obrigando o uso dos carboidratos (açúcares e amidos) como fonte de energia, impedindo assim a elevação do açúcar no sangue. “http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2011/12/hiperinsulinismo-e-obesidade.html
    Quando não comemos (entre as refeições e dormindo) os níveis de insulina abaixam e os ácidos graxos são liberados no sangue e as células que estavam gordas (que ‘engordaram’ na última refeição), emagrecem. Essa é uma das funções da insulina, controlar esses ciclos. Mas... qualquer desequilíbrio nesse processo a desequilíbrio e a onde a insulina não vai conseguir ‘emagrecer’ as células e esse acúmulo vai ficar nos adipócitos.

    ResponderExcluir
  28. bom dia Arlete.
    A dieta páleo / low carb é para qualquer idade! O cardápio é o mesmo sim. Veja bem, esquimós vivem em dieta páleo a vida toda. http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/12/a-dieta-dos-esquimos-aventuras.html E existem vários outros exemplos.

    ResponderExcluir
  29. Luiz Vinicios Mielniczuk Seeli12 de março de 2013 12:42

    Eu doei sangue normalmente, e não notei nada de alteração durante o resto do dia. Meu irmão já não consegue fazer um exame de sangue sem cambalear ou até desmaiar...

    ResponderExcluir
  30. Luiz Vinicios Mielniczuk Seeli12 de março de 2013 12:43

    E o "cardápio" pós doação era quase isso, só que sem a maça... fiquei só com água e depois fui almoçar normalmente.. e estou nesse estivo de vida a uns 2 meses..

    ResponderExcluir
  31. Olá Jú Whately.
    No outro dia, depois de repousar, você continuou a passar mal? Porque pelo que você disse, sempre passa mal quando doa sangue. Não precisa alterar sua rotina alimentar por causa disso. Já que sabe que vai passar mal, melhor repousar. Eu tbm passo mal quando vou fazer um simples exame de sangue! Cuido nesse dia pra ficar bem quietinha!

    ResponderExcluir
  32. Oi, Patrícia! Obrigada pela resposta! Bom, hj ainda tive um pouco de tontura, mas nada comparado a ontem... A diferença do exame pra doação é que eu ñ passo mal por ter tirado sangue, mas pela pouca oxigenação cerebral mesmo. Minha pressão cai muito. Aí eu deito, coloco os pés pra cima e melhoro. Só perguntei pq achei que tivesse alguma dica pra uma melhor recuperação...
    Mesmo assim, obrigada! :)

    ResponderExcluir
  33. Pois é, Luiz... Eu estou na low-carb há 5 meses. Mas mesmo antes de entrar nessa dieta eu já passava mal com doação de sangue. Tirar sangue pra exame é tranquilo! Não passo NADA mal. Adoro, até (sim, sou maluca)!


    Mas qdo eu doo, aí a coisa aperta... Na hora é sossegado. Aí eu termino, fico uns 15 min deitada, vou levantando super devagar, como alguma coisa e vou embora. Normalmente passo mal uma meia hora depois, com a pressão MUITO baixa.


    E aí achei que pudesse ter alguma dica pra uma recuperação mais rápida... enfim, obrigada pelo seu testemunho!

    ResponderExcluir
  34. Muito obrigada Dr. Souto, agora me sinto confiante pra continuar o que ja tinha começado :) ! Tenha um maravilhoso dia !!!!

    ResponderExcluir
  35. O senso comum sempre passou a ideia de que ao ingerirmos gordura, esta passa imediatamente a ser estocada pelo organismo de preferência nas artérias...E tudo fica tão enraizado que eu tinha medo de consumir gorduras e apesar disto, eu engordei mesmo foi com os carboidratos. :P

    Valeu pelas informações Patrícia!

    ResponderExcluir
  36. Eu melhoro comendo SAL e bebendo bastante água!

    ResponderExcluir
  37. Dr. Souto, o motor de pesquisa do blog não tá funcionando!!!

    ResponderExcluir
  38. Agora já está, obrigado Dr. Souto!!!

    ResponderExcluir
  39. Caro Dr. Souto, poderias deixar as refer6encias destes papers (sou médico tbm) - gostaria de lê-los.

    Caso tenha tempo, gostaria de sua opinião sobre essa palestra: http://tedxtalks.ted.com/video/Debunking-the-Paleo-Diet-Christ

    Obrigado e parabéns pelo excelente nível do blog.
    Regis

    ResponderExcluir
  40. Regis, eu assisti o vídeo 2 dias atrás. A Dra. Warinner faz uma série de colocações MUITO interessantes. E eu concordo com quase tudo. Apenas tenho dúvidas se ela efetivamente leu os livros do que ela chama de "fad diets". O Sisson e o Wolff deixam claro que páleo é apenas um "template", e seria realmente bizarro imaginar que conseguiríamos reconstruir completamente a dieta de 40 mil anos atrás.

    Podes ver o que escrevi há mais de um ano: http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/01/dieta-paleolitica.html

    "(...)Não existe um único tipo de dieta paleolítica. Hominídeos nômades vagaram pela áfrica, e posteriormente por todos os continentes, comendo aquilo que estava disponível. No litoral, isso significava um predomínio de pesca. Nas savanas, um predomínio de caça. Na maioria dos lugares, era suplementada com vegetais, frutas silvestres e raízes, além de insetos e larvas. Em locais como o círculo polar ártico, praticamente não havia vegetais disponíveis por pelo menos 6 meses. Em ilhas do pacífico, o coco chegava a compor mais da metade do consumo calórico. Assim, não há uma dieta paleolítica, mas várias.(...)"

    "(...)A dieta paleolítica precisa ser adaptada aos tempos modernos. Afinal, é pouco provável que maioria de nós pretenda consumir insetos e larvas ou caçar os animais selvagens com as próprias mãos.(...)"

    O que eu escrevi é notavelmente semelhante ao que ela disse, não é mesmo? E eu escrevi 1 ano antes dela, e baseado no que aprendi nos livros que ela alega estar desmentindo, de modo que há uma séria incongruência aqui. Prefiro pensar que ela não leu os livros, do que imaginar que ela leu, se apropriou das ideias como se suas fossem, e depois subiu no palco para desmoralizar a fonte destas mesmas ideias.

    A afirmação dela de que estamos adaptados ao consumo de grãos pois foram encontradas pequenas quantidades no tártaro fossilizado ignora o próprio fato que ela salienta em outros momentos: o acesso era esporádico, os grãos não eram domesticados, e obviamente portanto não eram a base da pirâmide alimentar paleolítica.

    No final, ela acaba falando contra junk food e a favor de real food. Meu pensamento é que as pessoas que têm a visão de que o segredo para a saúde é comida de verdade, e que carbs em excesso (e grãos em particular) são deletérios, deveriam esquecer suas diferenças (páleo versus primal versus low carb) e unir-se em torno de seus pontos comuns, já que somos MUITO minoritários. E, neste sentido, a Dra. Warinner prestou um grande desserviço.



    Obrigado por seus comentários quanto ao blog! Vc é médico onde?

    ResponderExcluir
  41. Interessante o video. Mas fiquei com a impressão de que ela criticou sem conhecer nada porque no fim da palestra ela basicamente descreve uma dieta paleo excelente, como se fosse novidade. Não é. Tutano do osso, miúdos, vegetais os mais naturais no lugar de comida processada, fibras. Confesso que não li um desses livros paleo mais famosos, mas pra quem conhece fica claro que a moça pulou no vagão da dieta paleolítica sem perceber rs.

    ResponderExcluir
  42. EXATAMENTE! Foi o que eu disse abaixo, na minha resposta ao Régis: ela alega estar desmentido os mitos de livros que defendem EXATAMENTE o que ela defende no final! Como não quero acusá-la injustamente, vou apenas acreditar que ela não leu os livros, apenas as orelhas e/ou resumos.

    ResponderExcluir
  43. Obrigado pela elaborada resposta. Muito parecida com a minha impressão inicial. Concordo 100%.
    Médico Nuclear em Fortaleza.
    Um abraço,
    Regis

    ResponderExcluir
  44. Oi Patrícia, li este seu comentário e fiquei com uma dúvida em relação à afirmação de que a gordura não eleva os níveis de insulina. Isso pq não comemos gordura isolada o dia todo, ela geralmente vem com (mesmo que um pouco de) carboidratos e proteínas. Conheço pelo menos um estudo (http://ajcn.nutrition.org/content/66/5/1264.long) que mostrou que picos de insulina de alimentos como um bife podem dar picos de insulina quase o dobro do de uma massa branca - porém com menos da metade do pico de glicemia (isocalóricos - 240 calorias). Outro exemplo do estudo, peixe com o mesmo pico de insulina que cornflakes - mas com quase 1/4 do pico de glicemia.
    Enfim, talvez a ideia de que a culpa toda seja da insulina não corresponda a toda a verdade - precisaria tbm de um pico maior de glicemia?
    Não conheço os papers com a evidência de que os niveis de insulina realmente ficam baixos na dieta (não estou afirmando - sequer os procurei) - vcs teriam este tipo de informação?
    Obrigado,
    Regis

    ResponderExcluir
  45. Regis, artigo fascinante - vou demorar DIAS digerindo isso. Bah...!!

    ResponderExcluir
  46. Olha só Regis.... vou esperar a digestão do Dr. Souto!!!!

    ResponderExcluir
  47. rsrsrs Bom, a minha intenção aqui é aprender... aguardo ansiosamente seu insight.
    Tenho cá minhas teorias, mas preciso ter tempo para estudar alguns fundamentos para não falar bobagem.
    Trocamos umas ideias em breve.
    Abcs!

    ResponderExcluir
  48. Régis, te conheço desde ontem e já vi que daí não sai bobagem :-) Devemos todos estar sempre numa jornada de aprendizado.

    ResponderExcluir
  49. Caro Dr, tenho um bebe com 15 dias e ainda estou a amamentar, pensei em iniciar a dieta low carb mantendo a fruta para aporte vitaminico, acha recomendável ou será melhor esperar o dim do aleitamento? É que com a gravidez aumentei 20 kg e agora precisava de abater 15 e receio que quanto mais tempo passar mais dificil vá ser. Muito obrigada.

    ResponderExcluir
  50. Olá Sónia.

    Primeiro, parabéns pelo seu bebê! Se mulheres celíacas, esquimós e mulheres grávidas fazem páleo, penso que só vai fazer bem pra você e o bebê. Para ficar mais tranquila, leia aqui: http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/prezado-dr-souto-dieta-e-gravidez.html

    http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/12/a-dieta-dos-esquimos-aventuras.html

    ResponderExcluir
  51. Opa, tomei um susto aqui. Apesar da incrível perda de peso, o perfil liipídico deu uma bela piorada:
    LDL188 (era 122)
    HDL 42 (era 48)
    CT 258 (era 192)

    De quebra a creatinina foi para 1,3...
    Será isso transitório?
    Abcs

    ResponderExcluir
  52. Régis: estranho! Pois o HDL quase sempre sobe. O triglicerídeos sempre ficam abaixo de 100 (o que torna a fórmula de Friedwald inacurada para cálculo do LDL). Não me preocuparia com creatinina. Mas repetiria um pouco mais adiante.

    Ontem atendi o um senhor de 93 anos que faz Atkins há mais de 10 anos (creatinina 0,8, com 93 anos!!), e que parou de usar todos os remédios por conta própria (usava estatina na época). O sujeito está ativo, lúcido, e independente. Tinha colesterol total bem alto (tipo 270) e HDL de 86, com triglicerídeos de 80. PCR ultra-sensível de 0,06. Esse é o endpoint que realmente importa, não é mesmo? Não os números. Ninguém pode responder, no momento, que significado tem uma dislipidemia no contexto de uma dieta low carb, pois todos os estudos foram feitos em SAD (standard american diet). Até que ponto um colesterol mais elevado realmente é um marcador de risco em quem come páleo? Não sei. Eu repetiria os exames. Se ainda persistir a dislipidemia, eu procuraria "hard endpoints", tipo um escore de cálcio coronariano na TC e uma eco de carótidas. Se estiver tudo normal, eu continuaria comendo páleo. Mas isso sou EU...

    ResponderExcluir
  53. Paleo sim, mas talvez o balanço entre gorduras saturadas,mMonoinsaturadas e poliinsaturadas esteja errado desde que cortei totalmente os carbs para perder peso... Introduzi óleo de coco e passei a fazer ovo com manteiga diariamente. Vou reorganizar aqui e repetir em 1 mês.
    Obrigado de novo pela opinião. Em tempo, Trigl = 140 (era 110).
    Abc,
    Regis

    ResponderExcluir
  54. Régis, este exame está errado.

    Os triglicerídeos SEMPRE caem, e caem bastante. É minha principal medida de "compliance" dos pacientes. Estes exames são incompatíveis - eu repetiria noutro laboratório.

    Tenho um monte de pacientes com o inverso disso (melhora de todo o perfil lipídico após low carb high fat). Estou te mandando um artigo por email.

    ResponderExcluir
  55. Vou repetir. Recebi o email, muito interessante, obrigado.
    Abcs!

    ResponderExcluir
  56. Hj no twitter surgiu um artigo interessante sobre nossa discussão: http://wholehealthsource.blogspot.com.br/2013/04/glucagon-dietary-protein-and-low.html

    "Protein stimulates insulin release as much as carbohydrate does (because one of insulin's jobs is to send amino acids into lean tissues such as muscle), but protein doesn't supply rapid glucose like carbohydrate does. If this process went unchecked, eating a high-protein meal would cause hypoglycemia because insulin release would suppress blood glucose too much. Glucagon release counterbalances insulin, preventing hypoglycemia when we eat a high-protein meal."

    E mais:

    "...this paints a complex picture, suggesting that the effectiveness of low-carbohydrate diets for fat loss in overweight people:
    - Depends at least in part on increased protein consumption.
    - Probably does not require a reduction of insulin secretion, but may involve an increase of glucagon.
    - Probably does not involve direct effects of glucagon on fat cells, but could relate to glucagon's effects on satiety, and perhaps other effects in the brain."

    Abcs,
    R

    ResponderExcluir
  57. Eu não me esqueci de vc, Régis, não esqueci MESMO - mas estou sem tempo, e acumulando este assunto para quando puder sentar com calma. O Stephan Guyenet tem este viés da saciedade em tudo que escreve (food reward theory), que é um viès bem interessante (eu não defendo que se olhe tudo pela mesma ótica sempre). Mas, quanto à insulina, observe por exemplo a metanálise que lhe mandei outro dia, em que sistematicamente os níveis de insulina diminuem com low carb. E é minha experiência de consultório também, medindo insulina séria pré e pós low carb. E é low carb (com mais proteína) versus standard american diet (com high carbs e baixa proteína). Eu estava esses dias pensando EXATAMENTE neste assunto q vc coloca acima: se proteína e carbs elevam igualmente a insulina, como é possível que não tenhamos hipoglicemia após comer um peito de frango ou uma clara de ovo? Seria apenas pela gliconeogênese? Algo não está certo - interessante esta ideia do glucagon. Vou estudar a fundo isso. A fundo pode significar semanas.
    Obrigado pelo link!


    2013/4/3 Disqus

    ResponderExcluir
  58. Doutor, não estou questionando suas palavras - afinal de contas, meu conhecimento no que tange nutrição é raso, tendo como estrutura algumas informações randomizadas de academia. Mas... Por exemplo, por que as grandes mídias fariam propagandas pobres sobre dietas low-carb? Gostaria só de saber o porquê de haver tanto mal-entendido aí, neste tema, que advém principalmente de 'supostas' fontes científicas, e a sua opinião a respeito. Abraço

    ResponderExcluir
  59. Porque a grande imprensa não passa de uma caixa de ressonância do dogma vigente, em todas as áreas. Há exceções, é claro. Infelizmente, me dão muito trabalho, pois são todas em inglês. Nossa imprensa tupiniquim apenas traduz matérias publicadas pelas grandes agências de notícias (Reuters, etc), que por sua vez apenas reproduzem "press releases" das universidades americanas e europeias, que por sua vez apenas seguem as diretrizes governamentais (pirâmide alimentar, etc), que por sua vez traduzem não a ciência, mas o portfólio de produção e exportação de seus respectivos países (i.e., grãos). É um raciocínio circular e tautológico: "sabemos que carne faz mal" - "por quê?" - "por que está nas diretrizes" - "por que está nas diretrizes?" - "porque sabemos que faz mal".

    A diferença é que a imprensa "lá fora" é mais plural, e publica opiniões divergentes e, o mais importante, possui jornalistas e articulistas especializados (REALMENTE especializados) em áreas específicas, capazes de escrever maravilhas como as que costumo traduzir aqui.

    Faça um teste: pense na qualidade das reportagens sobre a sua área de atuação profissional. Quando leio reportagens sobre medicina na imprensa leiga, tenho vontade de chutar a parede - toda a semana preciso explicar aos pacientes sobre os equívocos publicados pela imprensa a respeito da última cura do câncer, etc. E então imagino: "será que a qualidade do jornalismo em áreas que eu não domino é tão ruim como nas áreas que eu domino?". A reposta óbvia é sim. Provavelmente são tão superficiais e imbuídos de senso comum quando escrevem sobre economia ou história, do que quando escrevem sobre urologia ou nutrição. Assim, há que manter o ceticismo sempre alerta a respeito do conteúdo de revistas e jornais.


    Em 18 de abril de 2013 05:34, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  60. Dr. Souto, posso copiar e divulgar essa sua resposta?

    ResponderExcluir
  61. Leandro Lopes Pio Pereira24 de julho de 2013 21:40

    Prezado Dr.Souto, boa noite!

    Estou há 3 meses e meio fazendo alimentação low carb e perdi 11 kg.
    Fui fazer exames de sangue esta semana e ocorreu o seguinte quando comparado com exames de novembro/2012:
    Col total passou de 173 a 219
    Trigl foi de 85 a 78
    Hdl passou de 45 para 51
    Ldl foi de 115 a 152
    Vdl foi de 17 a 16
    Glicose passou de 83 para 95.

    Estes resultados são esperados? Fiquei um pouco preocupado...
    Agradeço a atenção !

    ResponderExcluir
  62. Se fosse em mim, eu não me preocuparia. Leia as postagens sobre colesterol. Em 24/07/2013 21:40, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  63. Leia isso também: http://www.blogdodrvictorsorrentino.com/2013/02/colesterol-vilao-ou-mocinho.html Em 24/07/2013 21:40, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  64. Leandro Lopes Pio Pereira24 de julho de 2013 22:10

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  65. Caro Dr, Souto.
    Lendo o post "http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/03/dieta-pobre-em-gorduras-mais-derrames.html" segui o link fornecido na sua resposta ao Leandro Lopes Pio Pereira "http://www.blogdodrvictorsorrentino.com/2013/02/colesterol-vilao-ou-mocinho.html".
    Gostei muito e mandei para minha médica que (inutilmente) insiste que eu tome sinvastatina. Porém, continuei lendo outros posts do Sorrentino e fiquei preocupado com o que li em "http://www.blogdodrvictorsorrentino.com/2012/07/a-verdade-sobre-o-mito-do-leite.html". Afinal os derivados do leite são prejudiciais?
    Gostaria ainda de agradecer por todo o conteúdo do seu blog e os maravilhosos efeitos em minha saúde.

    Henrique Z. Fuchshuber

    ResponderExcluir
  66. Para algumas pessoas sim, para outros não. Eu sigo mais a linha "primal", do Mark Sisson, que tolera produtos fermentados de leite para quem os tolera. Veja, a gordura do leite e derivados é muito saudável; contém minerais importantes, além de vitaminas lipossolúveis, em especial a vitamina K2, que pode ser difícil de se achar em outras fontes. A proteína do leite é de alto valor biológico. Para quem não tem intolerância severa à lactose, nem doenças associadas a IGF-1 (espinhas, ovários policísticos), eu acho que são coisas gostosas e práticas, os laticínios fermentados.

    Em 31 de julho de 2013 01:00, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  67. Rosemary Bottechia11 de agosto de 2013 13:40

    Estou adorando as informações aqui contidas,mais desculpe a minha ignorância,mais qual a diferença, entre a dieta low carb e a dieta paleo?se tem diferença qual seria a melhor?

    ResponderExcluir
  68. Olá Rosemary.

    Pra saber qual é melhor pra você tem que experimentar pra saber! Usualmente, se precisa emagrecer, melhor restringir os carbs, se não precisa emagrecer, use os 'páleo carbs'.

    Leia aqui: http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/02/diferenca-entre-low-carb-e-paleo.html

    http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/01/como-devo-comer-comida-de-verdade.html

    http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/prezado-dr-souto-este-alimento-e.html

    ResponderExcluir
  69. Bacana Dr. Souto,
    Bom saber que o sr. tb aprecia os artigos do Dr. Victor Sorrentino.

    ResponderExcluir
  70. Yorkshire Concurseira6 de novembro de 2013 21:02

    Doutor Souto, tem uma semana e meia que to fazendo a dieta e notei que minha salivação aumentou, isso é normal?

    ResponderExcluir
  71. EU RI MUITO!!!!!!!! ''Se você tem inimigos, imprima o panfleto acima, baseado na famigerada pirâmide alimentar, e lhes dê de presente'' KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  72. Meu Deus!! Foi o que aprendemos na faculdade e estamos utilizando durante anos!! Por isso eu não via melhoras nos meus pacientes? Chocadíssima!!! Mas...se chegaram a esse resultado, porque continuam ensinando assim nos cursos médicos? A quem interessa causar tanto prejuízo à humanidade?

    ResponderExcluir
  73. Por isso escrevo esse blog - desespero...

    Sent from mobile phone
    Em 23/08/2014 14:34, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  74. Estou com você nessa luta, fazendo o trabalho de formiguinha...em breve seremos milhões!!

    ResponderExcluir
  75. :-)

    Sent from mobile phone
    Em 23/08/2014 16:54, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  76. Estou tentando abrir um documentário sobre estatinas que foi exibido na Austrália daqui do blog e não estou conseguindo, como faço?

    ResponderExcluir